sexta-feira, junho 12, 2009

Passeio pela serra do Paul

Passeio pela serra do Paúl

8 horas. A manhã prometia um bom passeio, o sol já raiava pela serra.

Cafézinho da praxe e "bota-lá" embora para a Bica da Cana.

A saudade é muita e os quilinhos também! Nada como começar pelo circuito da Bica da Cana para matar saudade.


Como diz Edgar Allan Poe no poema "Um sonho":



Em visões do breu nocturno e incerto

Sonhei com prazer de outrora...

Mas um sonho desperto, pela aurora,

Deixou-me o coração deserto.


Que faz senão sonhar sempre acordado

Aquele que olha de soslaio

As coisas em redor, e com um raio

Apontado para o passado?


Aquele sonho santo...visionário,

Enquanto o mundo escarnecia, Me acalentou, tal chama que irradia

Guiando uma alma solitária.


E embora aquela luz, na tempestade

e breu, tremesse lá distante...

Que mais podia haver de tão brilhante 

No astro claro da verdade.


Poe, Edgar Allan , obra poética completa, Tinta-da-china, Lisboa. 2009,pag. 73


Gente nova experimentou e gostou da experiência apesar dos 40km terem pesado muito nas pernas.


O mar de nuvens emoldura a imagem e acompanha o nosso passeio, como manto para a passagem da comitiva do "Rei Salomon"


Outra vez estes gajos? "Mé cadê" o resto da comitiva?

Falta muito "carago"? já me doí o rabo..

... sem comentários a paisagem fala por si...

...

E este cromo de onde saiu ele? Bem que cena é esta? É assim que se estraga passeios idílicos! 
Tem chamas nas pernas, mas de nada lhe valeram nas subidas "aterradoras"

OH!!! este cu?
Specialized??? 
"No coments", senão entro em pormenores obscenos ou gaseificados.

A pedir boleia? 
Agora com a crise vê-se muita gente nas rotundas do Funchal a pedir boleia, mas na serra... inédito!
"-Levanta mais para cima! Queremos ver antes de comprar". 
Disseram umas vacas ruminantes do outro lado do pasto. 

Outro!?? 
Bem, isto se continua assim teremos um bordel a céu aberto na serra! Realmente isto está muito diferente, agora com a energia eólica abriram-se novos caminhos e novos horizontes de negócio para muita gente.
-Mas este parece virgem nestas andanças, ainda tem receio de levantar os calções...

Falta muito?
O que é aquilo lá embaixo?
Parece o Funchal... Machico... Porra onde estamos?
Calheta?! 

Mijinha finalmente! 
-Já viste "pequeruxa linda" que paisagem tão linda, não tenhas vertigens! Eu seguro-te bem, não te largo!
in monógos para uma pilinha.
Fotografia da praxe, na boca da descida do Lombo do Mouro! 
Já tenho dores nas pernas que nunca mais acabam...
 -Mas vou-me divertir com a descida...
(O Carlos continua sorridente, satisfeito! Nem parece que fez os mesmo quilómetros que nós...
UHMMM!! Cheira a treino...).


Paisagem sem cromos "No coments", para saborear a beleza do momento.

A crise chegou mesmo a serra! 
Uns levantam os calções, outros andam de luvas rotas nos dedos, como os verdadeiros pedintes citadinos...
-"Barriguças" sai da frente que estragas a foto!

"Em visões do breu nocturno e incerto

Sonhei com prazer de outrora...

Mas um sonho desperto, pela aurora,

Deixou-me o coração deserto.

...

4 comentários:

Helder disse...

Bonito passeio e grande reportagem.
Tive pena de não ir...

Carlos disse...

Excelente passeio.
40 km de terra, pó, muito sol, muitos gazes… e pouco asfalto como convêm.

Pascal disse...

GAzessssssssssss!!!!!!!

ÉinH!!!! Um dia desses eu digo o que são gazes....
Quem se lembra da trovoada e do rugir dos leões?
Janelas trancadas...,desespero... e muita aflição?
Paulo!?
Helder!?
Ainda não dou certinho nos feijões, mas quando poder! =)

Pascal disse...

O poema do Allan Poe é lindo, porra!!!