terça-feira, maio 18, 2010

XV de MAIO


8h00 Ponte Vermelha
8h30 Bica da Cana


Para matar saudades e preparar o passeio do dia 23, fomos cedinho pela manhã em direcção à Bica da Cana.

O nevoeiro e o frio bafejaram as caras de sono dos Bravabttistas. Preparado o material, feito o aquecimento e posto as fofocas em dia, lá fomos pelos trilhos que deram luz ao que hoje somos.

Foi um reviver de um passado, mas muito presente daqueles que viram nascer os BRAVABTT.

O frio, a carqueja, a lama e a caca de vaca testemunharam estes anos loucos de pedaladas. Foram anos de boa disposição, de substanciais evoluções físicas e mecânicas.

Quem não se lembra da Team, da Berg e da vermelhinha que como chocalhos andavam pelos trilhos à procura da felicidade?

Cada paragem uma sandes, quanto maior melhor, cada picardia levava sempre a mesma retórica "ÊH... ÊH... tu gostas é de levar no *&%#**".

Semana após semana novos materiais, novas ideias para novos trilhos, mas acima de tudo mais animação e muita cumplicidade.

As chegadas a casa cada vez mais tarde... Os culpados? Sempre o mesmo! (Óh! morzinho eu até queria chegar mais cedo mas a culpa foi do Paulo Amaral). Cada um desenrascava-se como podia, sempre com a perspectiva de poder voltar a pedalar no próximo sábado.

Inocentes fomos crescendo, cada um ao seu ritmo, fomos alcançando os cumes muitas vezes intangíveis na nossa mente.

Foram 4 anos de muito "corte e costura", mas como todos sabemos faz parte do prazer de pedalar... É importante falar das novidades no btt, dos equipamentos mais leves, de pregar partidas com as fotografias mais alucinantes, de por vezes sentirmos-nos crianças e assim descomprimir das nossas responsabilidades semanais.

Entraram e saíram muitos bttistas, mas todos de alguma forma sentiram-se fazer parte de algo. Todos de certa forma contribuíram (por mais curta que seja a passagem) para que os Brava fossem o que hoje são, uns cromos de lycra que tratam por "tu" os trilhos e os cumes mais íngremes da Madeira.

Sábado tivemos o reviver do "espírito" BTTBRAVA, quando descemos um trilho virgem... Ao cabo de 3/4 kms, e de uma levada traiçoeira, vimos que não havia ligação para o que estávamos a espera. No entanto aguardava-nos uma paisagem, que arriscaria a dizer das mais belas que já vi. Valeu certamente a pena o desvio, valeu certamente a pena descer tudo para depois subir com muito esforço e passar por um túnel sombrio sem ver onde pousávamos os pés. Valeu a pena termos sentido que estávamos onde nunca estivemos, longe dos carros como que perdidos da civilização, já a planear um regresso com taxis a mistura e mais um pedido de desculpa esfarrapado pelo atraso às nossas lides e responsabilidades domésticas.

Foi um reviver de emoções fortes, na melhor das companhias a fazendo o que mais gostamos de fazer; comungar com a natureza em cima de duas rodas!

4 anos a "blogar" e mais a pedalar!

Mais aventuras virão e mais convívios teremos testemunhados semanalmente no blogue muito estimado por quem visita religiosamente.






3 comentários:

Carlos disse...

Hoje ao almoço vou começar um tratamento intensivo à base de feijão e amanhã estarei mo meu maximo.

Pascal disse...

Já comecei com uma feijoada a transmontana.
Como sobremesa optei por um bolo de feijão.

Tenho na minha lancheira um sandes de chouriço com um vinagrete de feijão.

Tudo isso para não pesar muito até ao jantar, porque guardei o melhor para o fim.
Tenho de molho feijocas da Ucrânia, que serão servidas cosidas com molho de cebola e ovo cozido.
Será acompanhado por um soflé de beterraba, regado imaginem só...
...por um vinho biológico da austália, feito não pela fermentação de uvas, mas sim pela fermentação especial de feijões endémicas, típicas das zonas mais áridas da região norte do continente australiano.

Não sei como será o amanhã?
Mas avisaram que poderei dar cabo das hemorróidas...
Ou então liquidificar os pêlos dos narizes dos que inadvertidamente irão respirar os alívios gastro-intestinais por mim patrocinados.

Carlos disse...

Podemos dizer que estivemos mesmo nas "entranhas" da nossa ilha.